Archive for Curiosidade

Fechando o caixão do ensino médio

Triste ler a declaração atribuída ao MEC, que desmoraliza de forma definitiva o ensino no país, sobre a correção das redações do ENEM.

(…)ser o participante do Enem, por definição, um egresso do ensino médio, ainda em processo de letramento na transição para o nível superior.

Se o sujeito que sai do ensino médio, na visão do MEC, ainda não deve saber escrever, estamos perdidos.

No site do Estadão e no site dO Globo você pode ler sobre os candidatos que avacalharam a redação do ENEM. Teve gente escrevendo receita de macarrão instantâneo, e teve gente transcrevendo hino de time de futebol.

Brincadeira erudita de botequim – II

bar

Mais um desafio da série de entretenimento (ou devaneio) etílico. Vamos manter a diversão sem perder a generalidade. Mesmo quem não frequenta os ambientes leves e descontraídos desses modernos templos bacantes pode se divertir.

O sofisma do empréstimo

“Um incauto encontrou uma oferta de uma garrafa de Jack Daniel’s (ou de água benta, ou uma corneta ungida – fica a seu critério) por R$ 97,00 (noventa e sete reais).

Como estava momentaneamente desprovido de recursos, pediu dinheiro emprestado para 2 (dois) amigos (ou irmãos, ou parentes, ou paroquianos – adapte como quiser). Cada um deles lhe ofereceu uma nota de R$ 50,00 (cinquenta reais). Nosso pequeno gafanhoto, então, ficou de posse de R$ 100,00 (cem reais).

R$ 50 + R$ 50 = R$ 100

Depois de realizar a compra (você deve ter escolhido o que ele comprou lá em cima, vou parar de ajudar nas adaptações – você já deve ter entendido) devolveu R$ 1,00 (um real) para cada um dos credores e manteve o outro R$ 1,00 (um real) no bolso.

R$ 100 – R$ 97 = R$ 3

Se cada um dos credores emprestou R$ 50,00 (cinquenta reais) e recebeu R$ 1,00 (um real de volta), ainda precisa receber R$ 49,00 (quarenta e nove reais).

Agora danou-se! Se multiplicarmos 49 (quarenta e nove) por 2 (dois) obteremos 98 (noventa e oito), que somados ao R$ 1,00 (um real) que o nosso amiguinho manteve no bolso resultam em R$ 99,00 (noventa e nove reais)

R$ 49 + R$ 49 = R$ 98
R$ 98 + R$ 1 (mantido no bolso) = R$ 99,00

Onde foi para esse R$ 1,00 (um real) que falta?”

Não deixe de ver o post do sofisma do bar.

Arquitetura e estupidez (parte 2)

banheiro conservatório de música

Banheiros transparentes

O 100devaneios já mostrou os prédios envidraçados que acabam funcionando como estufas. A coisa só está piorando.

Parece que o uso de vidros e transparências na arquitetura chegou a um novo patamar. Juntando a falta de raciocínio com o descaso para com os usuários, uma leva de prédios públicos com banheiros transparentes foi construída aqui mesmo no Brasil.

Continue lendo →

Brincadeira erudita de botequim

bar

Esse é um ótimo desafio para aqueles momentos de lazer etílico. Se você não aprecia os prazeres da embriaguez, não se acanhe. O desafio serve para outros momentos de diversão.

O sofisma do bar

“Três amigos que estavam em um bar (ou congregação religiosa, não importa muito) pediram a conta.

O garçom (ou obreiro, ou diácono, você já entendeu a ideia) trouxe a notícia de que deviam R$25,00 (vinte e cinco reais) ao estabelecimento.

Cada um deles entregou uma nota de R$10,00 (dez reais) ao nobre atendente de mesas.

De posse dos R$30,00 (trinta reais) o garçom foi até o caixa e, muito malandramente, pediu o troco em cinco moedas de R$1,00 (um real).

Retornando à mesa entregou uma moeda para cada um dos amigos, que concordaram em deixar as outras duas moedas de gorjeta para o garçom.

Ora, como cada amigo recebeu R$1,00 (um real) de troco, gastou R$9,00 (nove reais). Sendo três amigos, gastaram R$27,00 (vinte e sete reais) que somados aos R$2,00 (dois reais) do garçom resultam em R$29,00 (vinte e nove reais).

Onde foi parar esse R$1,00 (um real) que falta?

Ordem Unida pode ser impressionante

Esse negócio de “ordinário marche!” e “direita, volver!” é para os fracos. Ordem unida em silêncio, de olhos vendados, com veículos e com armas carregadas são muito mais divertidas.

Bacana mesmo seria de moto, olhos vendados, armados e no estilo dos japoneses.